Vampiro de Veneza: o crânio com um tijolo na boca

Arqueologia, Curiosidades, Idade Média Vampiro de Veneza: o crânio com um tijolo na boca
* Por Talita Lopes Cavalcante


Foto: National Geographic.

O crânio com um tijolo na boca é de uma pessoa acusada de ser vampiro durante o século XVI. Foto: National Geographic.

Em 2009, foi descoberto e revelado um crânio com um tijolo na boca, na Itália. O achado ganhou a alcunha de Vampiro de Veneza.

A ossada incomum estava entre alguns cadáveres de vítimas da peste negra encontrados em uma vala comum datada da Idade Média. Segundo arqueólogos forenses da Universidade de Florença, na Itália, o crânio pertencia a uma mulher que viveu durante o século XVI e teria sido acusada de ser um vampiro.

Matteo Borrini, chefe das escavações, afirmou que o tijolo na boca era uma forma de prender as supostas mandíbulas vampíricas e evitar que o acusado voltasse a sugar o sangue de suas vítimas. A descoberta é um importante achado arqueológico, pois até então não existia qualquer vestígio ou prova material de que pessoas tivessem agido para evitar que os acusados de serem vampiros voltassem para continuar em suas práticas sobrenaturais.

Além disso, o achado pode dar uma nova luz à discussão de quando surgiu o mito dos vampiros na Europa. A crença nesses seres sobrenaturais é antiga, podendo remontar inclusive à Antiguidade. Contudo, o mito durante a Idade Média era diferente daqueles de outrora e se baseava no precário entendimento acerca do processo de decomposição.

Vala comum para o depósito de corpos de vítimas da Peste Negra.

Vala comum para o depósito de corpos de vítimas da Peste Negra. Foto: Venice Water Authority – Consorzio Venezia Nuova Archive/Ministry for Cultural Heritage and Activities – NAUSICAA Archive/National Geographic.

Naquela época não havia ainda o entendimento de que cadáveres podiam soltar sangue pela boca e nariz devido o processo de decomposição do trato digestivo. Quando túmulos começaram a ser reabertos para depositar mais corpos de vítimas da peste e se presenciou tal cena, os populares de então acreditaram que o cadáver tivesse voltado à vida e estivesse sugando o sangue de pessoas.

Acreditava-se, inclusive, que a peste poderia ser causada por vampiros. Pensando em acabar com a praga, as pessoas começaram a inserir objetos na boca dos cadáveres para evitar que eles continuassem a propagar a doença. Outra descoberta interessante acerca do crânio diz respeito à idade da mulher. Após análises da arcada dentária, os resultados mostraram que a ossada pertencia a uma mulher que morrera com a idade de 61 a 71 anos.

A revelação surpreendeu a equipe pelo fato de que, naquele tempo, dificilmente uma pessoa de classe mais baixa poderia chegar a uma idade tão avançada. A informação ainda fez a equipe acreditar que a mulher possa ter sido morta acusada de bruxaria devido à idade avançada para a época e por haver o mito de que o diabo concedia poder às bruxas para enganar a morte.

Referências:
– Dell’Amore, Christine. “‘Vampire of Venice’ Unmasked: Plague Victim & Witch?“. National Geographic, 2010.
– “Italian Plague Graves Found“. National Geographic.