Pit Bulls: os cães-babás

Curiosidades, Século XIX, Século XX Pit Bulls: os cães-babás
* Por Talita Lopes Cavalcante


Foto de um menino e seu Pit Bull no século XIX

Atualmente a sociedade vê no Pit Bull como uma ameaça, entretanto, por muitos anos ele foi considerada um cão babá.

Hoje os Pit Bulls são demonizados, considerados uma raça a ser extinta da sociedade, mas nem sempre foi assim.
Houve uma época em que esses cães eram considerados não só símbolo de confiança, lealdade e estabilidade, mas também, pasmem, como cães perfeitos para as famílias, em especial para serem companhia das crianças. Esse temperamento dócil, há 150 anos, foi responsável pela alcunha de “cão-babá”.

Durante o final do século XIX até o fim da Segunda Guerra Mundial, quando uma família decidia ter um cachorro, um dos principais candidatos era o Pit Bull. Em todos os testes pelos quais passaram, foram considerados extremamente dóceis, principalmente com as crianças, e péssimos cães para guardar a casa, devido sua amizade inclusive com os desconhecidos.

Um bebê e um Pit Bull em foto do século XIX

Principalmente durante o século XIX, os Pit Bulls eram uma das raças preferidas das famílias para cuidarem de suas crianças.

Foto do século XIX

Mesmo tendo sido criado para lutar contra javalis, o Pit Bull era conhecido como um animal dócil.

Segundo a United Kennel Club,

The essential characteristics of the American Pit Bull Terrier are strength, confidence, and zest for life. This breed is eager to please and brimming over with enthusiasm. APBTs make excellent family companions and have always been noted for their love of children.[…]  The APBT is not the best choice for a guard dog since they are extremely friendly, even with strangers.

[Tradução: As características essenciais do American Pit Bull Terrier são a força, confiança e entusiasmo pela vida. Esta raça gosta de agradar e é cheia de entusiasmo. APBTs são excelentes companheiros de família, notadamente por seu amor pelas crianças. […] O APBT não é a melhor escolha para um cão de guarda, uma vez que são extremamente amigáveis mesmo com desconhecidos.]
Uma criança e um Pit Bull em foto datada entre o século XIX e XX

Segundo a Kennel Club, os Pit Bulls são uma raça bastante dócil com seres humanos e de tão dóceis que são, não é recomendado utilizá-los para a guarda, já que não é de sua natureza atacar estranhos.

Um bebê e um filhote de Pit Bull

A fama de mau do Pit Bull só foi adquirida na segunda metade do século XX.

Dessa forma, durante os primeiros anos do século XX, os Pit Bulls eram considerados uma raça especialmente não agressiva com as pessoas, uma ótima companhia. Porém, de onde veio essa imagem do cachorro extremamente agressivo que é difundida especialmente nos dias atuais?

Quando o Pit Bull foi criado, através de uma mistura de outras raças como os  Bulldogs e Terriers, surgiu um cão de compleição forte voltado para a caça de grandes animais (como Javali) . Entretanto, desde o início, por ser muito forte, ele também foi usado em esportes que, mais tarde, foram considerados extremamente cruéis. Muitas vezes os Pit Bulls eram colocados em situações tensas, como quando eram jogados em um buraco repleto de ratos para que lutassem pela vida, outras vezes para lutarem contra touros, ou, mais conhecidamente, serviam como cães de luta nas famosas rinhas por sua força extrema.

Criança e seu cachorro em foto datada entre o final do século XIX e início do século XX

Devido a cruza que deu origem à raça, o Pit Bull sempre foi um cachorro extremamente forte e fora criado para caças a grandes animais e rinhas.

Pit Bull servindo como babá

Após uma campanha publicitária dos anos 80 do século XX, o Pit Bull foi apresentado como “badass”.

Apesar dessas e outras práticas ocorrerem, os Pit Bulls ainda eram visto pela sua natureza dócil; tanto era assim que durante as duas Grandes Guerras, além de serem o símbolo escolhido para representar a nação norte-americana, serviam como cães mensageiros. Finalmente durante os anos 80, após uma campanha publicitária apresentar o cão como “badass”, pessoas irresponsáveis que queriam adquirir um cão para rinhas, um cão de combate, ou mesmo para enfrentar gangues, começaram a investir nos Pit Bulls. Marketing deturpado e estrutura física forte contribuíram para o destino de um cão que outrora era conhecido como “Nanny Dog” (cão-babá).

Um Pit Bull e menino

Após a campanha publicitária, algumas pessoas começaram a utilizar o Pit Bull para situações agressivas.

A partir de então, a imagem violenta do Pit Bull começou a ser feita. Estudos realizados constataram que os cães responsáveis pelos ataques noticiados tiveram algum grau de treinamento voltado para a violência e para o ataque, demonstrando que a culpa era do proprietário, não sendo um atributo da raça o comportamento agressivo. Ainda assim, de fato existem animais que tem um comportamento violento natural, uma vez que foram criados, através de cruzamentos específicos, para assim serem.

Um Pit Bull com três crianças

Por começar a ser usado com fins violentos, a antiga imagem do Pit Bull começou a se perder no tempo, restando apenas as antigas fotos como comprovação de seu comportamento dócil.

Contudo, o que muita gente não sabe é que, aqueles que adquiriram a raça para guardar a casa, sem conhecerem o temperamento real do cão, começaram a abandonar em massa seus animais, uma vez que, desde sempre, são considerados péssimos cães de guarda por socializarem inclusive com estranhos. Aliado a esse cenário de desinformação, os animais abandonados sofrem toda sorte de violência. A própria violência sofrida, seja pelos proprietários ou pelas pessoas que desconhecem sua natureza e espancam o cachorro na rua, leva ao comportamento agressivo, muitas vezes para a própria proteção.

Um cão babá e um bebê

A antiga imagem de cão paciente, amigo e excelente companhia se perdeu após a campanha publicitária de 1980.

Atualmente, os abrigos estão lotados de Pit Bulls que foram abandonados e espancados… Além disso, por conta desse quadro caótico que foi gerado em torno da raça, muitas pessoas desejam, inclusive, sua extinção. Outrora um animal dócil, amigo, leal e considerado um cão babá, hoje o futuro dos Pit Bulls é incerto.

Foto início do século XX

Uma criança brincando com Pit Bull, foto do início do século XX.

Nota: Era comum também, vez ou outra, ocorrer a confusão entre as raças American Staffordshire Terrier e o Pit Bull, já que esse era uma “variação” do Staffordshire Bull Terrier. Como é possível observar, em uma das imagens (do bebê) aparece o American Staffordshire Terrier, em outras, entretanto, aparece o American PitBull Terrier.Foto datada entre o final do século XIX e início do século XX

Criança e Pit Bull em foto do século XX

Hoje o Pit Bull é visto como uma raça a ser exterminada.

Menina brincando com seu Pit Bull

As recordações da época em que o Pit Bull era considerado um cão babá ficarão guardadas para sempre em fotos antigas.

Fotos: A equipe do Museu de Imagens buscou informações para creditar as imagens, contudo, nada foi encontrado. Caso saiba alguma informação a respeito da autoria, entre em contato.
Referências:
– HOLLAND, Joshua. “Pitbulls used to be considered the perfect ‘Nanny Dogs’ for chieldren – Until the Media Turned them into monsters“. AlterNet.
-“American Pit Bull Terrier”. Terrier Group Official U.K.C. Breed Standard, 2008.
-“Pit bulls score better on temperament tests than the general dog population“. Examiner.
– COLLIER, Stephen. “Breed-specific legislation and the pit bull terrier: Are the laws justified?“.  University of New England/ Journal of Veterinary Behavior, 2006.